16 abril 2019

Quando ensinamos Deus a cozinhar?



Nem sempre estamos abraçando o céu com as mãos. Na maior parte das vezes estamos frustrados com alguma coisa que nem nos compete interferir. Muitas vezes lutamos contra os nossos impulsos de fazer do nosso jeito e mexer os nossos pauzinhos para realizar aquilo que tanto ansiamos. Estou me incluindo nesse público de servos ansiosos porque me conheço e reconheço nesta descrição tão minuciosa.

Sou uma pessoa dotada de uma imaginação muito fértil. Nem sempre isso me faz bem, mas na maior parte das vezes me faz compreender certas situações de forma mais enfática. Pois bem, eu imagino como Deus nos vê quando queremos brincar de “ser Deus”. Pode parecer uma expressão forte, mas a verdade é que quando desejamos fazer do nosso jeito, julgando que compreendemos o que fazemos, estamos impedindo que Deus, o real responsável pelas nossas vidas, trabalhe.

Quando eu era criança, amava olhar minha mãe cozinhando. Era interessante como ela juntava tantos ingredientes que aparentemente não faziam o menor sentido para mim e formava um prato tão delicioso  e digno de elogio! À medida que eu fui crescendo, manifestei o desejo de querer cozinhar, também. Mas eu queria cozinhar o que a minha mãe estava cozinhando! Eu queria colocar um ingrediente aleatório que eu amava a cor e achava que ia ficar uma delícia!

Mas a receita não incluía aquele ingrediente, muito pelo contrário, eu estragaria uma panela inteira apenas pela minha vontade de fazer do meu jeito.

Enfim, acho que você chegou ao ponto. A maior parte dos nossos dias “ruins”, ou dias “não” são motivados pela frustração de não termos o controle dos nossos próprios caminhos, por que  mamãe e papai não deixam colocar pimentão no pudim ou granola no arroz. Quando não conhecemos a receita qualquer ingrediente nos parece propício. Quando a espátula não está em nossas mãos, fazemos birra para retirá-la de quem está cozinhando. Nós queremos dar o nosso toque pessoal! E mais importante que isso...a cozinha sequer é nossa, mas já estamos abrindo armários e pegando temperos indiscriminadamente, lançando todos eles na panela fumegante ao lume.

Opa, espera aí. Mas é esse o nosso papel? Não deveríamos estar esperando a refeição ser pronta para saboreá-la?

Quando você cresce e aprende a cozinhar seus próprios pratos você percebe quão incômodo é ter alguém tentando interferir. “Se eu fosse você colocaria mais uma pitada de sal”; “Se eu fosse você colocaria mais uma batata”; “Se eu fosse você deixaria dourar mais um pouco”. A cozinha é uma arte, e a maior parte das pessoas gosta de praticá-la como uma terapia, sozinho com os seus próprios pensamentos.

É agora que vem a conclusão...

Se nós, simples seres humanos, não gostamos quando alguém tenta alterar a nossa receita, então porque queremos ensinar Deus a cozinhar? Aprendemos que não devemos fazer aos outros o que não gostaríamos que fizessem conosco. No entanto, esquecemos esta simples regra de convivência social quando se trata do nosso Pai.

Entenda minha colocação e siga meu raciocínio. Quando Deus está na cozinha, o nosso dever é organizar a mesa, colocar os talheres e os pratos e aguardar o anúncio da refeição pronta. Porque fazemos tanta questão?

Fique tranquilo, quando Deus trabalha, Ele só prepara banquete!
INSTAGRAM   //   FACEBOOK   //   TWITTER

3 comentários:

  1. Amém é bem verdade , muitas vezes queremos ensinar o nosso pai a trabalhar e mesmo que disse a nossa avó que é dona dos melhores temperos , e que são mais simples do que certas receitas de hoje em dia , Deus ele opera no silêncio, nos detalhes e em sua linda simplicidade e quando nos deparamos com a nossa refeiçao que tanto esperamos agoniado feita por ele nos deparamos com obra prima simples e bem complexa é bem difícil aguardar pois sempre queremos saber como está sendo feito e em que ponto está mas o melhor é ficarmos esperando pois tudo que o nosso pai faz é perfeito e sem nenhum defeito deu até pra rimar rsrs
    Instante: nanehmello
    Rosiane Melo
    Vila do tenente

    ResponderEliminar
  2. Incrível a sua metáfora para se referir ao trabalhar de Deus! Que Ele te conserve!

    ResponderEliminar
  3. Kalifornien, som ett namn, tilltalar fake rolex mig för att jag kommer från Kalifornien men också för att jag alltid har varit fascinerad fake Rolex av klockor från Kalifornien. Dessa började på Rolex-modeller, tror jag, och det finns några rolex replica Panerai-klockor med Kalifornien-ringer också. Min historia Rolex replica på Kaliforniens urtavla är otydlig, men jag tror att namnet härstammar från det faktum att en klockhandlare rolex kopia i Kalifornien för en tid sedan beställde urval av denna stil från Rolex, och namnet “California dial” fastnat. Vad replika klockor är en Kalifornien urtavla? I allmänhet var det en design där hälften av timmarna var skrivna som arabiska rolex kopior siffror och den andra hälften som romerska siffror. Jag tror inte att det fanns någon funktionell Rolex kopior anledning till det här arrangemanget, men det såg intressant ut. MAT: s klockor kopior tag på Kalifornien-urtavlan är distinkt från vad du skulle se på en klassisk Rolex eller några moderna rolex klocka kopia Panerai-klockor och verkar kombinera en Submariner-stil urtavla med en Rolex klocka kopia Kalifornien urtavla. På MAT Kalifornien-urtavlan är fake cartier markeringarna för klockan 10 och 2 klockorna romerska och de 8 och 4 klockmarkeringarna är arabiska siffror. De fake IWC andra timmarkeringarna är former.

    ResponderEliminar

1- Leia antes de comentar;
2- Comentários spam ou com palavrões serão excluídos imediatamente;
3- Deixe o link do seu blog no final do comentário para que eu visite;
4- Anônimos podem comentar, mas deixe o nome no final do texto, por favor. :D